Leite derramado

Auteur :
Editeur : Companhia das Letras
Nombre de pages : 158
Date de parution : 2015
Langue : portugaise
ISBN : 9789898775290
Prix :

26,00

1 en stock

Description :

Um homem muito velho está num leito de hospital. Membro de uma tradicional família brasileira, ele desfia, num monólogo dirigido à filha, às enfermeiras e a quem quiser ouvir, a história de sua linhagem desde os ancestrais portugueses, passando por um barão do Império, um senador da Primeira República, até o tataraneto, garotão do Rio de Janeiro atual. Uma saga familiar caracterizada pela decadência social e econômica, tendo como pano de fundo a história do Brasil dos últimos dois séculos.

«Talvez seja o melhor romance de Chico Buarque. É ao mesmo tempo uma dolorosa história de amor frustrado, que por vezes evoca o de Dom Casmurro por Capitu, e uma delirante saga de uma grande família por mais de um século da história do Brasil desde o Império aos dias de hoje. Eulálio de Assumpção ama Matilde ainda adolescente e casa com ela, que se diz grávida para forçar o pai a dar o seu consentimento. É o paraíso dos sentidos, a suma felicidade, mas Matilde um dia desaparece misteriosamente, deixando a filhinha, que estava ainda a amamentar. E todas as diligências de Eulálio para a encontrar resultam infrutíferas. Vai-se processando a decadência económica da ilustre família de Assumpção e é já na clínica hospício onde a filha o interna que Eulálio, muito velho, rememora caoticamente toda a sua existência, os amigos que teve e como se relacionaram com Matilde e a vida de seus netos e bisnetos, onde surge um sedutor impenitente, um traficante ambicioso e até um jovem comunista, que luta contra a ditadura dos coronéis. Nunca se esclarece o misterioso desaparecimento de Matilde. O livro é doloroso, angustiante e ao mesmo tempo cheio de humor, por vezes amargo, outras vezes cómico. A escrita de Chico Buarque atingiu uma qualidade deslumbrante. Vai do arcaico e do precioso ao calão e até à invenção vocabular. Um livro magnífico.» Urbano Tavares Rodrigues (leitur@gulbenkian, 2009)


Et aussi...