Poemas de Alberto Caeiro (bolso)

Auteur :
Editeur : 11/17
Nombre de pages : 102
Date de parution : 2011
Langue : portugaise
ISBN : 9789722523851
Prix :

7,00

1 en stock

Description :

Segundo Fernando Pessoa, Alberto Caeiro nasceu em 1889 em Lisboa e morreu em 1915, mas viveu quase toda a sua vida no campo, com uma tia-avó idosa, porque tinha ficado órfão de pais cedo. Era louro e tinha olhos azuis. Como educação, apenas tinha tirado a instrução primária e não tinha profissão, sendo apenas um «guardador de rebanhos». Considerado pelo próprio Pessoa o mestre dos heterónimos, Caeiro representa a visão pura e primitiva do ser humano, despojado de toda a emoção e cultura que o Homem foi criando.

Nem sempre sou igual no que digo e escrevo.
Mudo, mas não mudo muito.
A cor das flores não é a mesma ao sol
De que quando uma nuvem passa
Ou quando entra a noite
E as flores são cor da sombra.
Mas quem olha bem vê que são as mesmas flores.
Por isso quando pareço não concordar comigo,
Reparem bem para mim:
Se estava virado para a direita,
Voltei-me agora para a esquerda,
Mas sou sempre eu, assente sobre os mesmos pés —
O mesmo sempre, graças ao céu e à terra
E aos meus olhos e ouvidos atentos
E à minha clara simplicidade de alma ...

Alberto Caeiro, in "O Guardador de Rebanhos - Poema XXIX"
Heterónimo de Fernando Pessoa


Et aussi...