O Livro de Duarte Barbosa (édição crítica anotada), 2 vol.

Editeur : Instituto de investigação científica tropical
Nombre de pages : 828
Langue : portugaise
ISBN : 9789726728835 / 9789726728835
Prix :

125,00

1 en stock

Description :

Introdução, texto críico e apêndice por Maria Augusta da Veiga e Sousa
O Livro de Duarte Barbosa é uma das obras portuguesas mais relevantes do século XVI. Trata-se de uma descrição dos territórios que estavam em contacto direto ou sob alçada do Estado da Índia nos inícios de Quinhentos, desde a costa oriental africana, até ao sudeste asiático, indo até à China e, claro, incluindo toda a região do Golfo. Crê-se que terá sido terminado por volta de 1516, e a sua indiscutível autoria é de Duarte Barbosa. Contudo, se hoje se sabe, com alguma certeza, quem foi este homem e o seu trajeto, durante mais de um século houve dificuldade em identificar o seu percurso biográfico. Este problema resultou dos vários homónimos existentes na Ásia neste período, pois contam-se três pessoas com este mesmo nome. Um deles era cunhado do famoso Fernão de Magalhães. Serviu na Índia entre 1500 e sensivelmente 1516, tendo participado na armada de Magalhães, que partiu em direção às ilhas de Maluco (atual Indonésia) em 1519, acabando por falecer, como o próprio cunhado, nas Filipinas, em abril de 1521. Outro Duarte Barbosa serviu também na vertente asiática do império português nas décadas de 1510 a 1530, sendo piloto, morrendo no Estado da Índia por volta de 1532–1533. Por fim, o Duarte Barbosa que se crê ter escrito o Livro, partiu para a Ásia em 1500, na armada de Pedro Álvares Cabral, tendo sido escrivão em diversas fortalezas portuguesas, como Cananor e Calecute, e falecendo entre 1546-1547. Durante muito tempo (por culpa de Giovanni Battista Ramusio (1485-1557), que primeiramente propôs esta identificação, em 1550) acreditou-se que o autor do Livro era o familiar de Magalhães, mas a análise crítica dos diversos manuscritos existentes e do conteúdo da obra inviabiliza esta proposta. O Livro reflete o conhecimento pessoal do autor dos territórios descritos bem como aquele adquirido através de informadores locais, e oferece uma visão panorâmica sobre a história, os costumes e o comércio do espaço por onde se moviam os portugueses. No que diz respeito ao Golfo, a obra ocupa vários fólios, nas suas várias versões manuscritas, descrevendo toda a região. Dá particular destaque ao reino de Ormuz e às várias ligações comerciais em direção à Arábia e à Pérsia. O texto reflete não só a curiosidade e interesses pessoais de Duarte Barbosa, como aqueles que interessavam para o desenvolvimento e expansão do império português na Ásia. Assim se explica também o sucesso da obra, abundantemente copiada e que acabou por ganhar sucesso em versão impressa, em meados do século XVI.

A difusão da obra é hoje bem conhecida graças à edição crítica do Livro de Maria Augusta da Veiga e Sousa, publicada entre 1996 e 2000.