19/21 rue des Fossés Saint-Jacques
75005 PARIS (place de l’Estrapade)
À 20 m du Panthéon... Tél. : 01 43 36 34 37
Du lundi au samedi, 11-13h 14h-19h
(horaires souvent dilatés...)
Métros : Luxembourg, Cardinal Lemoine, Place Monge – Bus , 21, 27, 82, 84, 89
  •  
La Librairie, c'est aussi

Textos e pretextos - António Ramos Rosa

Textos e pretextos - António Ramos Rosa, par Collectif
Auteur : Collectif
Editeur : Textos e pretextos
Nombre de pages : 278
Date de parution : 2006
Langue : Portugais
Prix : 20,00 €
ISBN :
Disponibilité : En stock En stock

António Ramos Rosa – Textos e Pretextos, Outono/Inverno 2006, nº 9

“De toda matéria escura / sufocada e contraída / nasce o grito claro”. São versos de António Ramos Rosa, de “Viagem através de uma Nebulosa”. Desse sufoco padecemos todos, mas poucos enrouquecem com o grito que é esperança, respiração ou simplesmente horizonte.

Ramos Rosa esteve sempre destinado a ser tema desta revista. Ao longo de quase cinco anos de edições, passando por autores como Herberto Helder, Maria Velho da Costa, Eugénio de Andrade ou Chico Buarque, a Textos e Pretextos nunca perdeu de vista o autor de poemas como “O Boi da Paciência” ou “Estou vivo e escrevo sol”. António Ramos Rosa respira poesia e contagia-nos com o sopro dos que nascem inspirados.

Com uma extensa obra publicada, vencedor de vários prémios, é hoje um dos poetas maiores da literatura contemporânea de língua portuguesa. Algo que conhece como poucos, pois é um leitor compulsivo que sempre teve os livros por companheiros. Uma existência de papel, poderíamos dizer, onde a vida e as palavras nunca conhecem distância.

Ramos Rosa cria naturais elos de simpatia e amizade com os que o ouvem. Generosidade, diríamos nós, balanço deste número que lhe é dedicado. Esta é a característica que melhor o define, generosidade para com os outros e para com a própria literatura, a que se dedicou toda a vida. Escreve e desenha todos os dias, um ritual tão importante como comer ou dormir. Por onde passa deixa novos amigos e as palavras parecem ter cada vez mais brilho, breves, delicadas, mas vivas. Aos 82 anos, António Ramos Rosa é um dos homens que conhece o sabor da vida. Nós tentamos aprender-lhe o saber.

Margarida Gil dos Reis


ÍNDICE

ENSAIOS

  • “Subjectividade e Masculinidade em Herberto Helder e António Ramos Rosa”, António Ladeira
  • “No Crivo da Poesia: Celebrar o Verbo em Memória de Éluard”, Denise Estrócio
  • “A Fractura Vertigionsa. Criação e construção poética em António Ramos Rosa”, José Manuel de Vasconcelos
  • “O Nó Nupcial: Espaço e Eros. Espaço do Desejo & Desejo do Espaço em António Ramos Rosa”, Luís Filipe Pereira
  • “O Outro Livro. Sobre Deambulações Oblíquas de António Ramos Rosa”, Pedro Eiras

DOSSIER

VARIAÇÕES

CRONOLOGIA

SOBRE A MESA

ATELIER

TEXTUALIDADES